O Brasil que eu quero - Blog do Noventa
265
post-template-default,single,single-post,postid-265,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

O Brasil que eu quero

Nosso país vem enfrentando sérios problemas, frutos de equívocos cometidos ao longo dos anos. E as consequências estão aí: juros altos, crédito caro, falta de investimentos no setor produtivo, baixo consumo, mais de 13 milhões de desempregados, crianças e jovens fora das escolas, falta de moradias. E setores vitais para que qualquer país do mundo se desenvolva plenamente, como educação e saúde, por exemplo, seguem por aqui sem a devida atenção daqueles que detêm o poder.

Entendemos que a educação é uma das “molas propulsoras” de qualquer sociedade civilizada, ferramenta indispensável na formação de “peças” capazes de alavancar o importante trabalho de criação, afastando nossas crianças e jovens das armadilhas que as ruas oferecem como aprendizado.
Investir na educação, oferecer serviços de saúde que atendam àqueles que deles necessitem, manter os postos de trabalho existentes e gerar novos, entre outras demandas, são fundamentais para o desenvolvimento pleno do país.

Para alcançarmos o país que queremos, temos de nos empenhar nas lutas que sabemos necessárias para a solução dos problemas, sejam eles quais forem, e caminhar, resolutos, rumo à retomada do nosso crescimento econômico. Nosso intuito é um Brasil igualitário e justo socialmente, com o acesso de todos os brasileiros à educação, à saúde, à segurança, moradia digna e à nossa própria sobrevivência. Mas tudo aquilo o que almejamos não pode ficar esquecido no campo da utopia, pois nada cai do céu.

Para isso é preciso nos politizarmos mais. Um cidadão que não discute política perde a chance de praticar a democracia. Vamos nos atentar nas eleições eleitorais desse ano, e elergermos representantes verdadeiros da classe trabalhadora.

No Comments

Post A Comment