Voto consciente pra mudar o Brasil - Valdevan Noventa - Blog do Noventa
173
post-template-default,single,single-post,postid-173,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12,vc_responsive

Voto consciente pra mudar o Brasil – Valdevan Noventa

Voto consciente pra mudar o Brasil – Valdevan Noventa

O ano de 2018 será emblemático na vida dos trabalhadores brasileiros.

Depois de tantas mazelas impostas por governos de esquerda, de direita, golpista e afins, em outubro haverá o esperado voto de alforria, onde os cidadãos de bem poderão clarear um novo tempo na vida política da nação.

Sem manobras golpistas, levianas, todos nós poderemos dizer NÃO aos sem números de crimes de corrupção, que levaram gênios do mal, príncipes de mãos sujas, laranjas à prisão, mas, por conveniência dos asseclas, mantiveram outros tantos livres a gozar da nossa cara.

Importantes gestores de empresas, na catarse do poder, entregaram suas virtudes ao diabo da gula tratada como “propina”. A lei pôs sua mão justa, puniu os meliantes. Como não existe transformação sem corte na carne, as engrenagens do país tiveram seus parafusos quebrados com o definhamento de estatais, corporações, empresas… Mal-vinda é a recessão que entrega mais de 12 milhões de brasileiros ao caos do desemprego e da informalidade. Os investidores sumiram. O poder de compra atrofiou.

Também poderemos excluir das influências de nossas vidas um modus operandi da política de bananas, que não esconde da nossa incredulidade a troca de favores para aprovar projetos anti-sociais, como as reformas trabalhista e previdenciária.

Não merecemos representantes, que põem suas caras em rede nacional, e dizem: “se não votarem no projeto não tem liberação de verba para emenda parlamentar”.  E tão pior, depois, e saber que as verbas astronômicas não se revertem em favor do bem-estar social, apenas para financiar anseios políticos.

Somos provenientes de um povo sofrido, batalhador, trabalhador, ou seja, um dos pilares de reserva moral deste país. E fomos, por anos, ludibriados por atos nababescos, como Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, que deu-nos apenas a superação momentânea dos prazeres da carne.

No frigir dos ovos, o legado positivo para nossa gente foi nulo. Não existe política pública esportiva! Porém, o negativo estraçalhou os cofres de municípios e estados. E a conta chegou a galope em nossas casas com piora dos serviços sociais; aos servidores, retirada de benefícios e humilhação. A festa dos guardanapos em Paris é o símbolo nefasto desta crise sem paralelo na história republicana.

Portanto, a hora de mudar é agora. Temos um compromisso desde já com a mobilização nas bases, com a orientação junto aos trabalhadores e com a responsabilidade na escolha de candidatos preocupados com a gente, com os brasileiros. Tenho certeza de que as urnas darão uma resposta à altura das mazelas que há anos estamos sofrendo.

Valdevan Noventa – presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de São Paulo (SINDMOTORISTAS)

No Comments

Post A Comment